Vencedor do 1º Prémio dos Open World Awards 2017 da momondo // Vencedor do prémio Blogue de Fotografia de Viagens 2014, 2015 e 2016 da BTL Blogger Travel Awards

Os taquileños

Mais pequena que a vizinha Amantani, a ilha de Taquile, no lago Titicaca, vale uma visita sobretudo pelo seu povo: os taquileños. A minha curta visita de algumas horas serviu apenas para descobrir alguns factos curiosos sobre as tradições desta gente. Estes são os dez que mais me fascinaram:

  1. Os taquileños – cerca de 2000 atualmente – são conhecidos pelas suas vestes de lã de alpaca, feitas apenas na ilha e reconhecidas como Património Cultural Imaterial da Humanidade, em 2005
  2. Cabe em exclusivo aos homens teceram na ilha. Começam a fazê-lo logo a partir dos 8 anos
  3. Os homens tecem o seu próprio barrete e cinto. O cinto é chamado de chumpi e tem a particularidade de ter lá dentro o cabelo da amada (apenas quando casam). O pedaço de cabelo é de um tamanho considerável. É uma tradição cheia de simbolismo esta de ter “uma parte” da mulher sempre com o homem.
  4. No chumpi pendura-se uma bolsa onde se colocam as indispensáveis folhas de coca, indispensáveis para suportar os efeitos da altitude
  5. O barrete é um dos fatores decisivos no “jogo de sedução” entre casais. Os rapazes têm de tecer um barrete perfeito para poderem casar. A exigência é máxima e a paciência também…
  6. O divórcio é proibido e até há muito pouco tempo não podia haver casamentos entre pessoas da ilha com pessoas de fora da ilha
  7. As crianças aos três anos são livres para andar por toda a ilha, fazer as macacadas que quiserem, andar descalços, brincar. Para um “ocidental” chega a ser angustiante ver o perigo que (pensamos nós) as crianças correm, invariavelmente seguido de uma reflexão sobre o que é realmente a liberdade. Aos cinco anos lavam a roupa, aos oito começam a tecer e aos 16 a casar.
  8. Não há carros, carroças, bicicletas ou outro veículo. Só se anda a pé pelos trilhos de pedra.
  9. Os taquileños vivem em comunidade e seguem o colectivismo. Cada habitante tem uma tarefa definida e ninguém se escapa ao trabalho. Não há crime, nem polícia. São governados apenas por um alcaide. Cereja no topo do bolo: não pagam impostos.
  10. A única lei chama-se “ama sua, ama llulla, ama qhilla”, qechua para “não roubarás, não mentirás, não serás preguiçoso”. Entretanto o “não mentirás” foi abolido. Afinal o século XXI também chegou a este canto do planeta…



Deixe um comentário