Melhor Blogue Open World 2017 (momondo) // Melhor Blogue de Fotografia de Viagens 2014, 2015 e 2016 (BTL Blogger Travel Awards)

O dia perfeito em Óbidos


Felizmente a vida me tem permitido andar por todo o país, conhecer sítios fantásticos: aldeias, cidades, hotéis, restaurantes, monumentos, paisagens. Mas sempre que vou explorar uma nova zona há inevitavelmente locais que nos surpreendem.

Já conhecia Óbidos. Sabia que existia por ali uma lagoa. Não tinha grande ideia do local e, até ter decidido ir conhecer a dita o fim-de-semana passado, a expectativa não era por aí além. Depressa percebi que estava enganado. A região, além de mais turística e concorrida do que esperava, é de facto detentora de uma rara beleza, com bonitas paisagens em redor da lagoa, florestas a perder de vista e praias que rivalizam com as mais conhecidas e belas do país.

São poucas as unidades hoteleiras junto à lagoa. São sobretudo enormes resorts de mansões luxuosas a preços proibitivos. Fiquei alojado numa unidade mais pequena, onde a privacidade e o repouso são levados muito a sério. No Obidos Lagoon Wellness Retreat não entram crianças, nem sequer adolescentes na puberdade. Só com mais de 16 anos se pode ficar neste refúgio de bem-estar.

Aqui não há a barulheira da miudagem na piscina, há apenas um silêncio retemperador, num ambiente marcadamente romântico. Assim é pelo menos nos apartamentos que compõem o edifício principal. Longe – aleluia! -, lá longe, existem também umas moradias familiares, que até têm uma piscina privada onde a rapaziada pode fazer o barulho que quiser. Aqui, no meu apartamento t1 (o preço é igual o ano todo, 230€, mas fazem muitas promoções; agora em agosto fica a 160€), tenho o silêncio que ansiava. Bendito silêncio.

A tarde no Obidos Lagoon Wellness Retreat fez-se à base desse silêncio. Não há crianças, não há carros, não há bicharada, não há sequer restaurante ou bar ou qualquer serviço que possa fabricar ruído, até o staff passa praticamente despercebido. Não se ouve NADA. Thank you lord!

O apartamento tem um quarto confortável, normal, sem grande interesse de maior. A casa-de-banho cumpre e satisfaz. Mas a sala… é enorme! Já morei em casas mais pequenas que esta sala… Com uma pequena cozinha totalmente equipada, podem-se fazer aqui refeições. Quem fica uma ou duas noites dificilmente fará uso de tamanha parafernália de instrumentos caseiros, mas para estadias maiores são certamente muito úteis. Talvez o melhor da sala seja a pequena varanda. Tem uma mesinha e duas cadeiras praticamente suspensas por cima da esplendorosa piscina de água salgada.Oo cenário torna-se realmente romântico  com a piscina iluminada à noite.

Dizem-me haver wi-fi na casa, mas não a apanhei em lado nenhum. De qualquer forma, com os “detox’s digitais” tão na moda, quem quer saber de internet? Aliás, até a rede de telemóvel é muito fraca. Perfeito para nos desligarmos deste mundo a pedir constante atenção. Se nos cobrarem, sempre há a desculpa que estávamos no meio de nenhures, sem redes de qualquer espécie.

Lá fora, junto à piscina, outra das apostas da casa: um circuito de bem-estar. É composto por um pequeno jacuzzi, uma sauna com vista para o exterior e uma sala também aquecida, com sal dos Himalaias espalhado no chão e quem dizem ser benéfico para o sistema respiratório e pele. Há ainda massagens por marcação e outros tratamentos ao corpo.

Quem quiser algo mais activo tem bicicletas gratuitas. Não falta o que explorar e é tudo ali pertinho: as margens da Lagoa de Óbidos, uma aldeia de pescadores e as praias atlânticas. Eu não explorei nadinha. O dia era de chuva. Paciência, deixa-me lá então voltar para o quarto. O que vou fazer? Nada. Apenas desfrutar do silêncio, sem internet, sem telemóvel. Perfeito. Como diz o bilhete que o staff me deixou em cima da mesa: “O dia hoje estará perfeito para: Não fazer nada”. Sim, chefe!

FUJI0961 FUJI0963 FUJI0966 FUJI0967 FUJI0972 FUJI0974 FUJI0980 FUJI0987 FUJI1010 FUJI1028 FUJI1033 FUJI1034 FUJI1036 FUJI1005FUJI1060


Comentários (8)

  1. JMV

    Sem dúvida que deve valer a pena. A reportagem suscita o interesse, mas os preços de facto produzem o efeito contrário 🙂

    Responder